PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    terça-feira, 22 de outubro de 2019

    Andressa Urach revela que fez sexo com mais de 2 mil homens

    Andressa Urach, de 32 anos de idade, chega ao quarto de um hotel em São Paulo, com um vestido florido comportado, o cabelo curto e escuro, as unhas curtas e pintadas com base incolor e um semblante calmo. 


    Em outros tempos, naquele mesmo hotel - que fica próximo do sambódromo da capital paulista -, ela costumava se preparar para o Carnaval. Ela diz que, em um quarto como aquele, além de carreiras de cocaína e muito álcool, ela confabulava com sua equipe possíveis polêmicas que pudessem deixá-la em evidência na mídia.

    "Em um quarto como esse a gente chamava massagista para fazer fotos seminuas, se maquiava, bebia, usava drogas... Foi aqui que inventei a história do top roubado da minha fantasia de Carnaval. Foi um escândalo intencional porque eu queria ficar com a parte de cima nua. Eu era muito arrogante e prepotente. Não era nada, mas me sentia a estrela do momento", relembra em entrevista  o episódio de 2013. Na época, Andressa aparecia em frente às câmaras aos prantos reclamando do roubo de sua fantasia e ainda batia boca com a equipe da Tom Maior porque não aceitava o local que iria desfilar como destaque em um carro, que segundo ela, iria encobri-la com tanta fumaça.

    "Todas as famosas querem destaque na imprensa porque gastam absurdos. Eu gastava 80 mil reais em uma fantasia para aparecer um dia! É um investimento muito grande e às vezes, as pessoas pagam até muito mais para ser rainha. Era uma competição muito grande de quem queria aparecer mais. E eu queria muito aparecer e o Carnaval era o momento. Buscava estar em evidência para aumentar o meu cachê na prostituição", explica ela, que diz ter tido relações sexuais com mais de dois mil homens, entre eles ladrões, traficantes, jogadores, atores e cantores.

    Falar abertamente sobre o passado e os vícios em fama, drogas, sexo e masoquismo foi uma das decisões que Andressa tomou após se converter ao evangelho, quatro anos atrás, e escrever seu primeiro livro, Morri para Viver, editora Planeta (2015).  A mudança veio após o coma e uma internação de quase um mês na unidade de terapia intensiva (UTI) do Grupo Hospital Conceição (GHC), em Porto Alegre, decorrente de complicações de uma aplicação de hidrogel na perna e no bumbum. 

    "Quando entrei em coma, vi minha alma saindo do corpo e o julgamento da minha alma. O espírito da morte veio buscar a minha alma, mas Deus teve misericórdia de mim e me deixou viva. Neste quatro anos de conversão, estou tendo uma nova chance de escolher caminhos diferentes. Todos os dias busco ser uma pessoa melhor do que fui ontem. Se eu não tivesse me convertido eu estaria presa, morta ou no hospício", afirma. 

    Andressa agora lança seu segundo livro, Desejos da Alma, da editora Unipro, em que aborda sua luta para persistir no seu novo rumo sem retomar aos velhos hábitos.

    "Todos nós temos inclinações. As minhas eram a vida sexual e a fama. O mais difícil era vencer o vício pelo sexo. Eu dormia com um homem por noite. Todo dia tinha alguém diferente. Não tinha equilíbrio. Não vou mais para balada e rompi os laços que a antiga Andressa tinha", destaca ela, que atualmente vive no Rio Grande do Sul com o filho, Arthur, e trabalha na TV com o programa Eu Sobrevivi, sobre histórias de superação. 

    Meio Norte

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário