PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    terça-feira, 29 de outubro de 2019

    Câmara aprova cassação de prefeito de Uruburetama, médico acusado de abusar de pacientes

    O prefeito afastado José Hilson de Paiva foi cassado na manhã dessa segunda-feira (28) na Câmara Municipal de Uruburetama. O processo foi aprovado por unanimidade entre os vereadores presentes. 


    A defesa do prefeito cassado afirma que a sessão que aprovou a perda do mandato do gestor pode ser anulada na Justiça. Um dos argumentos é que os advogados não foram notificados. Documento da Câmara, no entanto, comprova a notificação na última sexta-feira (25). 

    Primeiro, Paiva foi expulso do partido político (PCdoB) e afastado da gestão da prefeitura municipal de Uruburetama. Depois, proibido de exercer a medicina pelos próximos seis meses. Está preso desde 18 de julho.

    Em menos de uma semana, desde a denúncia, José Hilson de Paiva, 70, foi alvo de sanções administrativas e penais. As medidas começaram a ser tomadas após o Sistema Verdes Mares exibir vídeos de pacientes sendo abusadas sexualmente dentro do consultório pelo médico e prefeito afastado.

    Ao ser preso, o médico disse, em depoimento à polícia, que os estupros e as gravações dos atos se tornaram um "vício", segundo informou a Secretaria da Segurança Pública do Ceará (SSPDS) à época.

    Segundo a delegada do município de Cruz, Joseanna Oliveira, o médico disse, ainda, que a prática virou fetiche há décadas e era um hobby fazer as gravações utilizando celulares e câmeras digitais.

    Desde 1986

    As primeiras denúncias ocorreram em 1986. Em 1994, duas mulheres foram à polícia denunciar José Hilson de Paiva por assédio sexual durante as consultas. O caso foi arquivado, sem que o médico fosse denunciado pelos crimes. 

    Em 2018, o prefeito voltou ao noticiário mais uma vez quando um dos vídeos com as relações abusivas que ele mesmo gravou foi divulgado na imprensa. Com a repercussão do caso, cinco mulheres procuraram a polícia e denunciaram o médico por crimes sexuais. 

    DN

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário