PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

    Fique atento! Suas mãos podem indicar se sofre de câncer do pulmão

    Uma mulher decidiu ir até uma clínica de dermatologia com queixas de dores e de coceiras nas palmas das mãos, que apresentavam a característica inusitada de 'mãos aveludadas'. Sintomas esses que já a acompanhavam há nove meses.


    Os médicos notaram que as palmas pareciam feitas de 'veludo' e apresentavam ainda linhas mais nítidas do que o normal. De acordo com o site Terra, o que a mulher não esperava é que o problema ia de fato muito além de uma doença de pele. O nome da (rara) condição é queratodermia palmoplantar ou acantose nigricans da palma, que está relacionada à presença de tumores malignos no organismo.

    Câncer de pulmão por conta de mãos aveludadas

    A característica muito singular da queratodermia palmoplantar, também chamada de ceratodermia palmoplantar, é o espessamento anormal das palmas das mãos e/ou nas solas dos pés. É considerada uma condição raríssima, mesmo entre os pacientes com câncer.

    De acordo com a DermNet NZ, entidade que realiza pesquisas sobre a pele, cerca de 90% da incidência da queratodermia está relacionada à presença de tumores malignos no pulmão e/ou no estômago. E um terço dos casos pode desaparecer após o tratamento do câncer.

    Outras sintomas notados na paciente, e que são muito comuns em pessoas com câncer de pulmão incluíam tosse persistente e perda súbita e inexplicável de peso (de 5 kg em apenas quatro meses).

    O câncer de pulmão da mulher de 'mãos aveludadas' não regrediu mesmo após radioterapia e quimioterapia durante seis meses. A paciente iniciou um novo regime de quimioterapia com outros medicamentos. O caso está atualmente sendo investigado por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e foi publicado no periódico científico The New England Journal of Medicine. 

    Meio Norte

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário