PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    sexta-feira, 25 de outubro de 2019

    Estudo afirma: Caminhar devagar é sinal de envelhecimento precoce

    Um recente estudo feito na Nova Zelândia revelou que a velocidade de caminhada de pessoas com 45 anos de idade pode dar indicações do ritmo de envelhecimento de seus organismos. Pessoas que andam mais lentamente demonstrariam maior ritmo de envelhecimento, enquanto que quem se desloca mais rapidamente estaria em melhor forma e envelheceria mais devagar. 


    O estudo, de longo prazo, foi realizado com 904 pessoas da cidade de Dunedin, na Nova Zelândia. Todas elas haviam nascido no mesmo ano.

    Descobertas do estudo 

    Os participantes do estudo foram testados ao longo de toda a vida, o que permitiu aos atuais pesquisadores coletar dados interessantes. Testes cognitivos aplicados às pessoas aos três anos de idade puderam prever quem caminharia lentamente, tudo isso a partir de dados como QI e coordenação motora.

    Os participantes que caminham devagar apresentam, hoje, sinais de envelhecimento acelerado. Seus dentes, pulmões e sistema imunológico estavam em piores condições.

    Além disso, a área de superfície e o volume cerebral eram menores. Havia menos áreas densas e maior número de pequenas lesões nas veias cerebrais, indicando o envelhecimento acelerado. Curiosamente, em um teste visual com fotografias, os mais lentos também pareciam ser mais velhos.

    Previsibilidade e aplicações 
    Hábitos individuais foram levados em conta, no entanto, o que impressionou os pesquisadores é a possibilidade de previsão em idade precoce. Os testes de marcha, que calculam a velocidade da caminhada e suas implicações na saúde, são geralmente aplicados em pessoas idosas. E os resultados obtidos já eram conhecidos desde uma faixa de idade inferior, por volta dos três anos.

    O estudo abre caminho para que cientistas busquem maneiras de prever as condições de saúde futura já na infância e desacelerar o envelhecimento precoce. Tratamentos como dietas de baixas calorias e drogas, como a metformina, podem reduzir a taxa de envelhecimento em pessoas cuja taxa é alta. 

    Outro ponto positivo é possibilitar que, uma vez que tenham sido informadas de suas taxas de envelhecimento, as pessoas possam optar por hábitos saudáveis enquanto ainda são jovens.

    Meio Norte

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário