PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    29 de abr. de 2020

    Infectados com COVID-19 podem não ser imunes a novo contágio

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou em sua conta no Twitter que ainda não há certeza sobre a imunidade adquirida por quem já foi infectado pelo novo coronavírus.
    A afirmação causou impacto em muita gente, mas a organização logo esclareceu a informação, a fim de diminuir o pânico.

    Na última sexta-feira (24), a OMS divulgou em seu site um relatório científico em que afirma que "não há evidências" de que pessoas infectadas pela COVID-19 possam desenvolver anticorpos e ficar protegidas de uma segunda infecção.

    A nota da organização foi uma resposta à governos que estão considerando adotar medidas de redução do distanciamento social para pessoas com "certificados sem risco". Países como Chile, Reino Unido e Alemanha cogitam aplicar tal ação.

    Para obter o chamado "passaporte de imunidade", o indivíduo precisa ter anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2. Este certificado permitiria que pessoas pudessem viajar e voltar ao trabalho, baseado no pressuposto de que, uma vez infectada, ela estaria segura contra uma reinfecção.

    A preocupação principal da OMS é que essas pessoas com o "passaporte de imunidade", ao assumir que estão imunes a uma segunda infecção, podem ignorar os conselhos de segurança de saúde pública. Assim, o uso de tais certificados poderia aumentar os riscos de transmissão continuada da COVID-19.

    Anticorpos não significa imunidade

    Na nota, a organização afirma que "atualmente, não há evidências de que as pessoas que se recuperaram da COVID-19 e tenham anticorpos estejam protegidas contra uma segunda infecção".

    Wilson Filho

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário