PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    29 de abr. de 2020

    Ministério Público entra na Justiça para garantir respiradores comprados pelo Ceará

    O Ministério Público Federal no Ceará e o Ministério Público Estadual protocolaram uma Ação Civil Pública Cível na Justiça Federal, na manhã desta quarta-feira (29), contra a União e a empresa Intermed Equipamento Médico Hospitalar LTDA, pedindo a liberação de 94 respiradores comprados pelo Estado do Ceará, a Prefeitura de Fortaleza e o Instituto José Frota (IJF), a um custo de R$ 6,4 milhões, mas que ficaram retidos sob argumento de que o Ministério da Saúde teria requisitado toda produção existente. 

    A ação do MP para trazer os equipamentos médicos, que são fundamentais no combate à Covid-19, faz parte de uma batalha do poder público no Ceará para montar novos leitos especializados na rede pública. Há previsão de pico de casos do coronavírus em maio, o que torna a situação ainda mais preocupante. Esta coluna havia antecipado, mais cedo, a ação do Ministério Público Estadual e Federal como parte dos esforços para garantir o aumento da estrutura de atendimento hospitalar. 

    O próprio governador Camilo Santana informou que já havia envolvido o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e, depois, o novo ocupante do cargo, Nelson Teich, na tentativa de resolver o impasse sem a necessidade de judicializar a causa. Até mesmo o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo de Bolsonaro, foi acionado, porém sem sucesso. 

    Na semana passada, o Estado de Pernambuco viveu situação semelhante e conseguiu, na Justiça, a liberação de 35 aparelhos retidos. 

    Empenhos 

    Na ação, os dois MPs detalham que estão pendentes 94 ventiladores pulmonares, a um custo total de R$ 6,4 milhões, sendo 50 solicitados pela Secretaria da Saúde do Ceará, 24 pela Secretaria da Saúde de Fortaleza e 20 pelo IJF. 

    "Ocorre que, em todos os casos, apesar dos regulares empenhos, a empresa está se recusando a entregar os produtos contratados sob o argumento de que o Ministério da Saúde(...) teria requisitado que toda a produção existente (...) ao Ministério da Saúde", diz o texto. 

    O Ministério Público ressalta que o Ceará é um dos estados cuja situação de contaminação pela Covid-19 é das mais graves. Além disso, "embora os gestores do SUS estejam com estrutura pronta para receber os equipamentos, (...) não terão como aumentar a capacidade de assistir a população cearense que precisar de ventilação mecânica". 

    No dia 20 de abril, as duas instituições já haviam expedido uma recomendação ao Ministério da Saúde pedindo a liberação das compras, mas não houve resposta do Governo Federal. 

    Para o MP, a requisição do Ministério da Saúde "desrespeita a competência dos entes federados" e apresenta "nulidades flagrantes", além de ameaçar a vida dos pacientes que necessitam fazer uso dos respiradores. 

    DN

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário