PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    13 de mai. de 2020

    86 milhões de brasileiros fazem parte do grupo de risco do coronavírus

    Mais da metade da população brasileira, 86 milhões de pessoas, estão no grupo de risco do novo coronavírus (covid-19).
    Essa é a conclusão de um estudo desenvolvido pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

    De acordo com o estudo, liderado pelo epidemiologista e professor da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) Leandro Rezende, entre a população brasileira abaixo de 65 anos, 47% das pessoas dentro dessa faixa etária possuem algum fator de risco. E esse número sobe para 75,9% para idosos acima de 65 anos.

    Foram considerados fatores de risco para o desenvolvimento da forma grave da covid 19 ter algumas destas condições: mais de 65 anos, ser obeso, ter asma moderada, fumar ou ter doenças crônicas cardiovasculares, pulmonares ou renais, diabetes, hipertensão, além de câncer diagnosticado há menos de cinco anos.

    As maiores proporções de adultos no grupo de risco foram encontradas no Rio Grande do Sul (39,5% – 58,4%), Rio de Janeiro (36,0% – 55,8%) e São Paulo (35,6% – 58,2%). Estados com menor proporção foram Amapá (23,4% – 45,9%), Roraima (25% – 48,6%) e Amazonas (25,1% – 48,7%).

    Considerando o tamanho da população, o maior número de adultos suscetíveis a complicações foi observado em São Paulo (12 a 17 milhões), Minas Gerais (6 a 9 milhões) e Rio de Janeiro (5 a 7 milhões).

    Para Leandro Rezende, o estudo mostra que o isolamento social é a melhor forma de prevenir as mortes pelo coronavírus.

    Escolaridade e classe social

    Outro dado importante que a pesquisa aponta é que entre adultos com o primário incompleto, 80% tinham algum fator de risco, ao passo que entre adultos com nível superior completo, 46% tinham algum fator de risco.

    Segundo Leandro, as populações de menor nível socieconômico se encontram em maior risco pelas condições precárias de habitação e acesso difícil a serviços públicos e por isso muitas de suas doenças pré-existentes não são diagnosticadas devidamente.

    A pesquisa da Unifesp foi feita com dados

    Catraca livre

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário