PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    quinta-feira, 14 de maio de 2020

    Bolsonaro enquadra Teich e diz que ministério mudará protocolo sobre cloroquina

    O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a cobrar do ministro da Saúde, Nelson Teich, a adoção pela pasta de um protocolo prevendo o uso da cloroquina para pacientes em estágio inicial do novo coronavírus.

    Durante a teleconferência com grandes empresários organizada nesta quinta-feira (14) pelo presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, Bolsonaro afirmou que o protocolo atual –que avaliza o uso do medicamento para casos críticos e graves– "pode e vai mudar".

    "Agora votaram em mim para eu decidir e essa questão da cloroquina passa por mim. Está tudo bem com o ministro da Saúde [Nelson Teich], sem problema nenhum, acredito no trabalho dele. Mas essa questão da cloroquina vamos resolver", disse o presidente.

    "Não pode o protocolo –de 31 de março agora, quando estava o ministro da saúde anterior (Mandetta) – dizendo que só pode usar em caso grave... não pode mudar o protocolo agora? Pode mudar e vai mudar", declarou Bolsonaro.

    Juntamente com o impasse sobre o isolamento social, divergências sobre a aplicação da cloroquina e da hidroxicloroquina em pacientes da Covid-19 foram um dos principais pontos que levaram à demissão de Mandetta, em 16 de abril.

    Teich, no entanto, tem resistido a apoiar integralmente a linha de Bolsonaro sobre o tema: a de que as substâncias deveriam ser prescritas também para doentes com sintomas leves do coronavírus.

    "Cloroquina hoje ainda é uma incerteza. Houve estudos iniciais que sugeriram benefícios, mas existem estudos hoje que falam o contrário", afirmou o ministro, em 29 de abril. "Os dados preliminares da China é que teve mortalidade alta e que o remédio não vai ser divisor de águas em relação à doença."

    Folha de S.Paulo

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário