PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

  • Notícias

    07 maio 2020

    Bolsonaro, Guedes e empresários vão ao STF cobrar o retorno das atividades econômicas no País, mesmo com o aumento no número de mortos pela pandemia

    O presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e empresários foram até a sede do Supremo Tribunal Federal (STF), na manhã desta quinta-feira, dia 7 de maio, para cobrar o retorno das atividades econômicas no País, mesmo diante da explosão de casos e mortes por Covid-19 no País.
    Eles se reuniram com o presidente do STF, Dias Toffoli.

    O pedido ao STF vai de encontro às medidas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que é de manter o isolamento social nas localidades onde a curva de contágio é crescente. No Brasil, há estados já em colapso no atendimento da rede pública hospitalar e o número de infectados só aumenta, devido a diminuição no distanciamento social.

    “A economia pode se desintegrar e de colapsar, os empresários me deram o alerta, não estão segurando mais. Não podemos virar uma Venezuela”, disse Paulo Guedes. Segundo Jair Bolsonaro, “os governadores foram longe demais nas medidas restritivas, autônomos perderam a renda e o desemprego cresce”. 

    O presidente do STF, Dias Toffoli, disse na reunião que está faltando uma coordenação nacional com os estados para definir uma política de retorno às atividades econômicas. Foi um recado direto a Bolsonaro, que só tem criticado os governadores e prefeitos e pouco tem dialogado sobre o combate a pandemia.

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu ainda que o presidente Jair Bolsonaro vete qualquer possibilidade de reajuste salarial do funcionalismo público, mesmo de profissionais de saúde envolvidos no combate à Covid-19. Em entrevista na frente do STF, após a visita, Bolsonaro confirmou que vai seguir a orientação econômica do ministro Paulo Guedes.

    Rogério Gomes

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário