PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    10 de mai. de 2020

    Consumo de oxigênio hospitalar dispara, e fábrica no CE amplia produção

    Em abril, a unidade da White Martins no Ceará registrou um significativo incremento na produção de oxigênio para o segmento medicinal devido à demanda gerada pelo novo coronavírus.
    Segundo a empresa, o consumo de oxigênio na forma gasosa, entregue por meio de cilindros exclusivamente aos mercados medicinal e industrial do Ceará, registrou um aumento de 60% na comparação com março. E o consumo de oxigênio líquido do segmento medicinal, voltado para todo mercado nacional, registrou um incremento de 90% no mês.

    "Neste momento crítico que enfrentamos, posso afirmar que estamos preparados para seguir operando com a excelência que sempre buscamos em nossas operações e nossos negócios. Sabemos da responsabilidade que temos ao oferecer produtos e serviços que são essenciais à vida de milhares de pessoas e que também contribuem para a continuidade das operações de diversos segmentos importantes da indústria", disse Gilney Bastos, presidente da White Martins.

    Aumento da produção

    Procurada pela reportagem, a companhia informou que, a exemplo de sua unidade do Ceará, outras unidades da empresa no País registraram aumento da produção de oxigênio para o segmento medicinal, em função da disseminação da Covid-19. Ele ressaltou, no entanto, que os "números podem variar diariamente diante dos novos desdobramentos da pandemia".

    Além do oxigênio, utilizado em terapias respiratórias, a unidade cearense produz nitrogênio, que é dedicado à preservação do sangue e tecidos vitais. Os gases produzidos no Ceará abastecem, principalmente, hospitais das regiões Norte e Nordeste.

    ZPE

    Instalada na Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Ceará, no Complexo do Pecém, a White Martins tem capacidade de produção superior a duas mil toneladas de gases por dia, sendo uma das maiores unidades da empresa na América Latina.

    De acordo com o presidente da ZPE Ceará, Mário Lima, a empresa foi fundamental para os resultados positivos alcançados pela ZPE nos últimos anos. "Em 2019, tivemos o segundo ano consecutivo de crescimento ultrapassando 12 milhões de toneladas. São apenas seis anos de história, mas a cada ano nos superamos e comprovamos com os resultados obtidos a capacidade da ZPE Ceará em receber mais empreendimentos como a White Martins", diz.

    Operação normal

    Segundo a diretora de operações da ZPE Ceará, Andréa Freitas, as empresas lá instaladas seguem operando normalmente, para assegurar o atendimento de todos que dependem de sua produção.

    "Estamos vivendo um momento atípico, em que pensar no próximo é o que importa. Sabíamos que nossas atividades não poderiam parar, então ajustamos nossos processos para que elas continuassem a acontecer da maneira mais segura possível, garantindo assim a segurança dos nossos colaboradores e evitando a proliferação do coronavírus".

    A White Martins representa, na América do Sul, a Linde, maior empresa global de gases industriais e engenharia. A unidade instalada na ZPE Ceará detém clientes em todo o País mas principalmente nas regiões Norte e Nordeste, sendo a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) um de seus maiores clientes. Além da White Martins, seguem operando normalmente dentro da ZPE a CSP a Phoenix do Brasil.

    Com o aumento da demanda hospitalar por oxigênio para o tratamento de pacientes com Covid-19, unidade fabril cearense amplia produção para atender ao mercado.

    DN

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário