PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    10 de mai. de 2020

    Covid-19: Investigadores aconselham cuidados redobrados na gravidez

    Em declarações à agência Lusa, a investigadora Inês Fronteira, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT), explicou que "a evidência (prova) ainda não é muita quanto à infeção pelo vírus nos primeiros meses da gravidez, quando há uma maior cautela das grávidas, pois há maior risco de complicações para o feto" e, por isso, é preciso manter todos os cuidados durante toda a gravidez.

    "As mulheres grávidas devem ser muito cautelosas e vigilantes em relação à exposição ao vírus, mesmo que esta ocorra no final da gravidez. (...) Ainda não temos tempo para verificar o que acontece quando são expostas no primeiro trimestre, pois as grávidas observadas até aqui foram sempre de último trimestre", explicou.

    A epidemiologista, que para este trabalho se juntou a um conjunto de investigadores brasileiros, país que enfrentou surtos de zika que deixaram graves problemas a recém-nascidos, disse que tudo o que está publicado na literatura sobre a matéria "ainda não permite perceber exatamente como ocorre, quando ocorre, a transmissão de mãe para filho".

    "Muito provavelmente ocorre por contato com a mãe, após o nascimento, e não pela transmissão vertical. (...) Há a tendência de aproximar a cara do bebê da cara da mãe e, portanto, muito provavelmente foi por essa forma, ou até pela amamentação, não sabemos ainda", afirmou.

    A investigadora do IHMT sublinhou que os dados disponíveis têm também de ser analisados tendo em conta que a informação disponível "é majoritariamente de grávidas na China, que tem uma cultura diferente".

    De qualquer forma, acrescentou, foi possível perceber que a forma mais frequente de apresentação da infecção pelo SARS-CoV-2 (o coronavírus que provoca a covid-19) nas grávidas "é através de sintomas respiratórios ligeiros e pneumonia com apresentação ligeira, havendo também tosse e fadiga".

    O estudo permitiu ainda concluir que a maioria das grávidas infetadas com covid-19 teve parto por cesariana e que a maioria dos recém-nascidos não apresenta problemas de saúde e dá resultado negativo para o SARS-CoV-2 até 36 horas após o parto.

    Wilson Filho

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário