PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    15 de mai. de 2020

    Morre brasileira que nasceu em 1900 e tentava ser reconhecida como a pessoa viva mais velha do mundo pelo Guinness Book

    Morreu nessa quinta-feira (14), aos 119 anos, Maria Pereira dos Santos, que tentava ser reconhecida pelo Guinness Book, o Livro dos Recordes, como a pessoa viva mais velha do mundo.

    A moradora de Salinas, em Minas Gerais, nascida em 1900, tinha dois anos a mais que a japonesa Kane Tanaka, que nasceu em 1903 e foi considerada, em 2019, a idosa mais velha do mundo pelo Guinness World Records. Assim que soube que o título era da japonesa, a sobrinha de coração, Kátia Alves da Silva, percebeu a importância da história de Dona Maria para o mundo. Ela fez o cadastro para quebrar o recorde em 14 de janeiro de 2020, que ficou em análise pelo Guinness.

    O filho da Maria Pereira disse ao G1 que ela morreu de causas naturais, às 10h30, e foi enterrada no cemitério da comunidade no fim do dia.

    “Nunca conheci ninguém que chegou à idade dela. Minha vó sempre foi muito boa e gostava de ajudar as pessoas, de doar”, falou a neta, Eliete.

    História da centenária

    Maria Pereira dos Santos nasceu às 9h do dia 20 de dezembro de 1900, na comunidade de Canela Dema, zona rural de Salinas, onde morou até os últimos dias de vida. A família tinha entrado em contato com o Guinness, reivindicando o título de pessoa mais velha do mundo, viva. A solicitação estava em análise.

    Em janeiro deste ano, o G1 fez uma reportagem contando a história de Maria. O Cartório de Registro Civil de Salinas confirmou a data de nascimento da idosa e a autenticidade do documento.

    Ela teve sete filhos, sempre trabalhou duro na roça e, até os 116 anos, uma das coisas que ela mais gostava de fazer era de descascar milho, além de ir para a cozinha fazer sabão. Ela deixa 16 netos, 24 bisnetos e três tataranetos.

    Há três anos, a rotina teve mudanças após um AVC, que fez com que a centenária perdesse os movimentos. Mas, a fornalha redonda de adobe e o tacho que ela usava para fazer o sabão continuam no mesmo espaço na cozinha.

    “Não usamos mais essa cozinha, mas mantemos do mesmo jeito porque é uma lembrança da minha avó, do que ela gostava de fazer”, contou ao G1 a neta Eliete, que era responsável por trocar as fraldas, dar banho e colocar a comida na boca de dona Maria.

    A neta ainda falou ao G1 que o cardápio da avó incluía requeijão na hora do café e feijão com farinha, carne e verduras no almoço. E falou que ela sempre teve o hábito de dar algo para quem ia visitá-la, como ovos ou goma, e de servir um cafezinho.

    Por conta da idade avançada, antes de falecer, ela alternava momentos de lucidez e tinha dificuldade para se comunicar, segundo a família.

    Aniversário de 119 anos

    Bolo de aniversário, farofa de feijão verde, farofa de carne, salpicão e, é claro, que não poderia faltar o prato mais tradicional da região: arroz com pequi. Foi com esse cardápio simples que a família comemorou os 119 anos de Maria Pereira dos Santos no dia 20 de dezembro. A festa reuniu filhos, netos e tataranetos na casa da centenária na comunidade rural.

    “Na hora dos parabéns, ela ficou muito emocionada e até chorou”, disse a neta.

    O segredo para viver tanto, segundo os familiares, tem ligação com a bondade de coração.

    “Minha mãe sempre dividiu as coisas, ajudou as pessoas e praticou a caridade. Quem pratica a caridade recebe a recompensa”, falou o filho Carlito Francisco dos Santos.

    Wilson Filho

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário