PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

FM MAIOR 93,3

  • Notícias

    quarta-feira, 20 de maio de 2020

    Prefeito defende prevenção, mas diz que "mão de Deus" alcançará a cidade

    O prefeito de Ladário, Iranil de Lima Soares (PSDB), autor do decreto que convoca os moradores da cidade para 21 dias de oração e 1 de jejum, fez uma live na Igreja Peniel, onde diz que cidade será alcançada pela “mão poderosa” de Deus, mas que a população também deve cumprir as regras e medidas de prevenção contra o coronavírus.

    A transmissão ao vivo foi feita ontem (19), da Igreja Peniel, em Ladário, acompanhado pelo pastor Elton. Aos moradores, o prefeito aproveitou o espaço para ler algumas passagens da bíblia, entre elas o Salmo 91 e pediu que a população “busque mais a Deus” e que entregue seus projetos em suas mãos.

    “Ladário possa ser alcançada pela poderosa mão de Deus, mas não deixe também de cumprir as regras e orientações do dia a dia, assim como das leis. Mas se volte também para Deus, porque ele pode ir onde o homem não pode”, descreveu o prefeito, que também é pastor.

    Polêmica – Após expedir o decreto na sexta-feira (15), o prefeito recebeu críticas sobre a legalidade do documento, entre elas da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil), que revelou que vai apresentar uma ação direta de inconstitucionalidade, contra a medida.

    O presidente da Ordem, Mansour Elias Karmouche, disse que o decreto é “totalmente inconstitucional”, já que segundo ele, a prefeitura não pode obrigar as pessoas a rezarem ou jejuarem. “Isto não é obrigação do município”. Ainda criticou que "essas invencionices tiram a credibilidade” da realização de medidas de prevenção contra pandemia.

    A assessoria informou que o prefeito vai buscar uma reunião com a OAB-MS, para esclarecer que pontos do decreto são considerados inconstitucionais. Ainda ponderou que as orações não são obrigatórias e que o decreto “não ofendeu nenhuma religião”.

    Também citou medidas de prevenção na cidade, como oque de recolher, regras para comércio, academias e feiras livres. Uso obrigatório de máscaras e uma barreira sanitária em parceria com a prefeitura de Corumbá.

    Topbuz

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário