PROGRAMA DO ROCHINHA

De Segunda a Sexta, das 6h às 7h, na FM MAIOR DE BATURITÉ 93,3. E-mail: programadorochinha@gmail.com - Fone: (85) 3347-1177 WhatsApp: (85) 9 9156-2117

  • Notícias

    04 novembro 2021

    Família do Wanderson soldado capistranense morto após treinamento do Exército no Ceará cobra respostas sobre o óbito

    Familiares e amigos de Wanderson de Holanda Nogueira, soldado 16ª Companhia de Polícia do Exército (16ª Cia PE) do Ceará, que morreu após um treinamento em um quartel de Maranguape no dia 21 de outubro, ainda aguardam respostas sobre a causa da morte do jovem de 19 anos. 

    Protesto por respostas sobre o caso ocorreu na noite de ontem quarta-feira (3) durante sessão da Câmara Municipal de Capistrano, município  onde Wanderson nasceu. Os parentes, incluindo Pedro Miguel, vereador pela cidade e pai do jovem, não acreditam na possibilidade de "morte natural", como foi informado inicialmente a eles. 

    "A gente quer uma explicação. Ele era um menino saudável, o Exército disse que foi morte por causa natural. Mas eu acredito que nenhuma morte é natural, existe algo por trás disso. A mãe dele entregou ele vivo e saudável", defende Antonilda Holanda, tia de Wanderson. 

    A professora pontua que a família não recebeu nenhum detalhe sobre o cronograma do jovem de 19 anos na semana da morte. O que se sabe é que seriam treinamentos com exercícios "muito difíceis", como o próprio Wanderson relatou à mãe dias antes.

    "LUTA POR JUSTIÇA" 

    Emocionado, o vereador de Capistrano e pai do soldado, Pedro Miguel, relembrou de momentos com o filho e disse que "é mais do que uma obrigação lutar por Justiça", pontuando que a Câmara de Capistrano enviou ofício cobrando respostas ao Exército. 

    "O Wanderson era uma pessoa muito sensível, amiga e humilde. Para mim ele não morreu. Eu olho para um jovem e vejo meu filho, então para mim ele não morreu, só está em um lugar onde eu vou me encontrar com ele depois", desabafou o pai. 

    A tia Antonielda Holanda frisou que é necessária a sensibilização do Exército e questiona: "Será que socorreram ele mesmo na hora?". 

    "Vamos lutar para que de alguma forma eles possam se sensibilizar em mudar essas metodologias. Não se sacrificam vidas humanas. Era um sonho de um jovem de 19 anos", disse.

    Outra pessoa presente no protesto desta quarta foi a advogada da família de Wanderson, Karine Almeida. Ela destacou que "vai buscar a verdade" e não atuará como "assistente de acusação". 

    "O Exército Brasileiro é uma instituição que deve prestar contas à sociedade. Quantos filhos dos senhores sairão de casa sem ter a certeza que voltarão? Qual foi o itinerário que o Wanderson fez naquele dia? Nós vamos buscar a verdade e eles vão ter que dizer o que aconteceu", declarou.

    A profissional da advocacia defendeu que o caso de Wanderson servirá como "uma bandeira do que não deve ser feito" e disse ainda: "Que fique claro que nao queremos guerra, só queremos a verdade".

    Existe a suspeita de que outro militar teria batido a cabeça de Wanderson Holanda em uma pedra durante um treinamento, causando a morte.

    Um dia após a morte, a 10ª Região Militar (que abrange o Ceará) emitiu nota lamentando o falecimento e pontuando que a circunstâncias estavam sendo "devidamente apuradas". 

    A reportagem solicitou atualização sobre o caso à corporação na noite desta quarta-feira (3) e aguarda respostas. A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) também foi procurada. 

    O caso é investigado como "morte suspeita" pela Delegacia de Polícia de Maranguape. 



    DN

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário